domingo, 16 de novembro de 2008

"Domme Alezandra,a viuva negra".


Voltava do mundo exterior,após passar a noite com mais uma peça.

Mais uma escrava liberta,mais um inimigo nas masmorras!

Estava ficando muito bom em aumnetar a minha popularidade negativa entre os membros da irmandade e os mestres do conselho supeior !

Entrei em meu nicho,joguei-me sobre uma velha poltrona,tentando relaxar e restaurar as forças.

A peça com quem havia passado a noite era uma mulher com um apetite sexual brutal!Quase que insaciável!

Eu a amarrei nas mais diversas posições durante a noite,e,fui conseguir dobrala quando o sol ja nascia!

Confesso que minha lingua estava ate dormente de tanto sugar sua vagina...

Sentei-me ali e fiquei,a olhar para o teto,ouvindo gritos e gemidos que ecoavam pelos corredores da masmorra.

De repente,minha concentração fora cortada por uma voz fina e fraca,que vinha da entrada do nicho.

-Permissão para entrar,meu senhor?

Olhei de lado,e pude ver a figura de um vassalo,baixo,velho e meio corcunda.

Eu ja conhecia aquela figura.

-Entrai,criatura...

Ele entrou,com passos rapidos,olhando para o chão.Parou ao neu lado,e sem olhar-me nos olhos,que seria uma ofensa vinda de um vassalo para qualquer Dom,disse;

-Permissão para falar,meu senhor.

-Falai...

-Minha senhora e dona,Domme Alezandra,mandou-me entregar-lhe este bilhete...

Disse isso estendendo o braço,com um papel pardo dobrado na mão.

Eu o tomei,abri e li seu conteudo.

Ali,em uma impecável letra, manuscrita em vermelho,dizia;

"-Preciso ve-lo!Agora!"

A cor da letra parecia vermelho sangue.Aproximei o papel das narinas para sentir o cheiro.

Realmente!Era sangue!Tive pena do pobre coitado ou coitada que havia fornecido a tinta...

-Va-de!Dizei a sua dona que irei.

-Permissão para sair,meu senhor...

-Retira-te!

Ele deu alguns passos de costas com a cabeça baixa,virou-se e saiu.

Alezandra?A viuva negra?O que ela iria querer comigo?

Uma das mais temidas Dommens da masmorra!

Bem...como um bom Dom desobediente e subversivo,tratei de reencostar na poltrona,chegando a tirar um cochilo.

Após trocar minha túnica e me recompor,fui á ala norte da masmorra,passando por corredores e escadas sombrias.

Era o caminho que levava ao nicho de Alezandra.

Bem,por que o apelido de "viuva negra"?

Simples!Nos ultimos cem metros antes do salão principal do nicho,uma coleção de escravos,acorrentados á parede,usando mordaças de couro ou de bola.

Todos eles semi-nus.Os mais antigos estavam presos mais proximos a saida.

Aqueles que ela colocava ali,ja não eram tão usados,ou,nunca mais usados para saciar sua sede de prazer.

O abandono e o desprezo de Alezandra,os matava mais do que a propria inanição!

Mais proximo a entrada principal,estavam os mais fortes ,e,espalhados pelo chão do nicho,os mais novos.

Era um ambiente de gemidos e lamentações,iluminado pelas chamas de tochas.

Entrei no salão principal.

A minha frente, uns vinte metros,estava Alezandra.

Ah!Alezandra!!

Sobre uma base de sete degraus,sentada em um trono de laca negra brilhante.Usava uma roupa de couro brilhante,que,de tão colada a sua pele,ja deveria fazer parte da mesma!

Botas agarradas que iam ate o joelho,com um salto que a fazia andar nas pontas dos pés.

Um corpo perfeito!Coxas roliças e grossas,cintura finissima,seios fartos!

Alezandra não usava máscara,usava apenas uma maquiagem ,que realçava o azul de seus olhos!

Um coque alto nos cabelos,terminava aquela,que eu considerava ser a mais bela das esculturas.

Ela estava sentada,com as pernas cruzadas,meio de lado,deixando aparecer a junção das coxas e parte da nádega.

Eu me aproximei ate alguns metros do primeiro degrau,e,com uma reverência,mais para cômica do que para respeitosa,disse;

-Minha cara Alezandra!Aqui estou como pedistes,o que queres de mim?

-Reservai o teu deboche para tuas servas libertas,cão imundo!Eu não pedi que viesse,eu ordenei!

-Ademais,ordenei que viesse de imediato!A horas que meu vassalo voltou!!

-Bem- disse- o bilhete dizia que queria ver-me aqui agora!Estou aqui,agora...

-Insolente!

-Não pedio que viesse aqui para ficar me ofedendo!O que queres?

-Quero que faças comigo como fazes com tuas servas!

Minhas suspeitas estavam confirmadas!Tratava-se de mais uma armação do conselho dos mestres para me dobrar!

Como quem não entendesse nada,continuei;

-Mas,minha cara Domme,tens tantos escravos e escravas ao teu dispor?Por que precisas de mim?

Tua fama de sedutor se espalha por toda a masmorra e submundo!Quero saber o que fazes de tão magnifico,para teres tal alcunha!

-Alias,sabei que Carolina esta sendo castigada pelo conselho,por tua causa,por ter se entregue aos teus prazeres!

-Mas-comecei,andando lentamente para frente,subindo os degraus-que culpa tenho eu,se eu amo todas voces?

-Como disse?- perguntou Alezandra_

-Eu disse- faltavam tres degraus para chegar ao trono- que amo todas voces,mulheres...lindas...

Alezandra se ajeitou no trono,ficando ainda mais de lado!Eu quase podia ver a abertura entre suas pernas,que deixava sua vagina livre!

Sua respiração aumentou,suas seios subiam e desciam lentamente.

Eu cheguei bem perto daquele par de coxas,me ajoelhei ao seu lado.

-Eu apenas...as amo...eu apenas...lhes dou amor...carinho...

Coloqueio minha mão em sua coxa,aproximei meu rosto e baijei seu joelho,escorregando minha mão lentamente em direção da sua virilha.

Quando minha mão se aproximava de sua vagina,levantei a cabeça e olhei-a nos olhos...

-Não vai me dobrar com a sua lábia,cão nojento!!

Alezandra disse isso,dando-me um violento tapa no rosto!Tapa tão forte,que me fez perde o equilibrio e rolar escada á baixo!!

Cai de bruços,meio tonto!Ela se levantou e começou a descer as escadas,degrau por degrau.

Quando chegou ao meu lado,desferio um violento pontapé em meu estômago,que fez com que meu corpo se levanta-se no ar.

Cai,amparando o estômago com as mãos,tossindo.

-Devo confessar Alezandra...que sua bota é otima para chutar estômagos...

-E ela é muito boa tambem para chutar bocas fétidas ,chupadoras de vagina!!

Ela ergueu a perna,pronta para desferir um chute em minha boca!

Sorte minha trasformar dor em prazer!

Com um movimento rapido da mão,agarrei seu tornozelo no ar,segurando firme.

Ela ficou sobre um pé,dando pulinhos,tentando se equilibrar.

-Soltai-me bastardo!Cão insolente!!

Ela pegou o chicote estava dependurado na cintura,estirou-o e tentou me agredir,mas,como estavamos muito proximos,seu raio de ação era pequeno!

Não lhe restava outra alternativa,senão me atacar com o cabo do chicote!

-Solta-me maldito,esta machucando meu tornozelo!!

-Machucando?mas pensei que Dommens não sentiam dor,apenas prazer!!

Comecei a leva-la em direção a sua bancada,arrastando-a pelo pé.

-Solta-me Kabalta!!Eu ordeno!!Não te atrevas a me tocar!!

-Levarte-ei para passear no inferno,minha querida Domme!!

Chegando á bancada,peguei um pedaço de corda,dobrei seu braço para traz e amarrei seus pulsos!

Alezandra era forte,lutava,esbravejava!

Quando viu que eu a dominava,gritou;

-Vassalos!Vinde!!Livrai-me desse demônio!!

Tres vassalos,entre eles o velho,adentraram a sala correndo!

Olheios nos olhos,com um olhar infernal,e disse;

-Voltai!Ou mando tuas almas para as chamas que jamais se apagam!!

Eles cobriram os rostos com as mãos,e deram meia volta correndo.

Alezandra gritava,blasfemava!

Amordaceia com uma mordaça de couro,e a arrastei ate um cavalete,onde amarrei seus pés separados,mantendo suas pernas abertas!

Todos os escravos presos começaram a gemer e se agitar violentamente!

Afinal de contas,eu estava prestes a violar a mulher que eles amavam com a propria vida!!

Amarrei uma corda no pescoço de Alezandra,esticando-a para a base do cavalete,fazendo com que se curva-se.

Ela hurrava,se contorcia violentamente!

Eu me ajoelhei atraz dela,segurei em suas coxas,e disse;

-Vou saber como é seu gosto agora Alezandra!Se quiseres urinar na minha cara como fez Carolina,fique á vontade!!

Enfiei meu rosto entre suas pernas,e comecei a sugala,com força,enfiando minha lingua ate onde conseguia em sua vagina!

Chupei-a,chupei-a com força e prazer!!

Ela gemia,gritava atraves da mordaça!

Os escravos se agitavam cada vez mais,ferindo seus pulsos com os grilhões!!

Uma tempestade de gemidos , hurros, e sons de correntes, invadio o local!

Fiquei de pé,penetrei sua vagina,com força,segurando sua cintura,apertando o tecido da roupa.

Soquei-a com força e rapido!

Soltei seus pés,a arrastei ate uma mesa,onde a deitei de costas!

Ela lutava,tentava me chutar!

Subi sobre ela,afastando suas pernas.

Eu a penetrei,rasguei sua roupa,deixando seus seios a mostra,e comecei a chupalos e morde-los!

Gemidos,hurros,dor e sangue entre os escravos!!

Tirei a mordaça,segurei seu rosto,e a beijei!!

Eu a beijei enquanto a socava,enquanto apertava suas nádegas e alisava suas coxas!!

Senti meus olhos mudarem,por isso,desviei meu rosto do dela.

Alezandra começou a gemer,primeiro baixo,depois,foi aumentando o tom,ate que,soltou um hurro,seguido de um longo grito!!

Cruzou as pernas em minhas costas,e gritou,gritou varias vezes!

Seu grito de prazer ecoou pelos corredores da masmorra,chegando ate a sala do conselho.

Entre os sete conselheiros,o mestre mór,que se sentava ao centro,levantou-se de súbto de seu trono,exclamando um nome;

-Alezandra!!

Carolina que sofria um castigo,estava dependurada sobre os tronos,com mãos e pés amarrados juntos ás costas, e uma tira de couro que a obrigava a olhar para frente,com uma mordaça de bola.

Quando ouviu o mestre pronunciar o nome de Alezandra,lágrimas escorreram de seus olhos...

Um comentário:

kalíope disse...

Delíciaaaaaaaaaaaa de conto.