domingo, 20 de fevereiro de 2011

"DOMINADOR PROCURA"...























A porta automática se abrio e Suzana deixou que uma mulher levando uma senhora idósa pelo braço passasem antes de ela entrar no sagão do hospital.


Ela atravessou o sagão em direção aos elevadores.


Apertou o botão chamando o elevador e aguardou.


Ela não gostava de estar ali!Detestava hospitáis!O clima,o cheiro,as cores,o aspecto das pessoas doentes!


A porta se abrio sob o som de uma suave melodia enquanto setas verdes iluminadas indicavam que o elevador agora iria subir.


Suzana desceu no terceiro andar e em poucos passos ela estava diante de um balcão de atendimento.


- Boa tarde - disse ela para uma mulher de branco que estava sentada atraz do balcão -Meu nome é Suzana,eu sou delegada de polícia.


Suzana exibe sua identificação com o distintivo para a mulher.


- Em que posso ajudá-la?- pergunta a mulher de branco -


- Eu procuro pela doutora Ilda,eu vim falar com a vítima de estupro.


- Um minuto ,por favor.


A mulher de branco fez uma ligação,ela procurava pela doutora Ilda.


-"Por favor,diga a doutora que tem uma delegada de polícia aqui querendo vê-la,obrigada".


- Doutora Suzana,a doutora Ilda esta a caminho,se a senhora quiser se sentar...


- Não,obrigada,eu a aguardo aqui mesmo.


O terceiro andar do hospital era o andar das "CTI's".


Enfim,após quase um mês ela conseguiria falar com a sobrevivênte de um caso de estupro seguido de espancamento!


A vítima ,uma mulher de vinte e sete anos,havia sido encontrada semi morta ás margens fétidas do rio Pinheiros.


Uma senhora japonesa de meia idade usando um jaléco branco saiu do elevador.


Era a doutora Ilda.


- Boa tarde,sou a doutora Ilda - disse ela com um sorriso estendendo a mão para Suzana -


- Olá,Suzana Eires,delegada de polícia.- retribuiu Suzana -


- A senhora veio tomar o depoimento da Flávia?- perguntou Ilda -


- Sim!Deixaram recado dizendo que ela já esta falando!Eu preciso saber o que ela tem para me contar!


- Bem- disse Ilda - vamos indo para a unidade onde ela esta.


As duas começaram a andar lado a lado pelo corredor.


Doutora Ilda era uma senhora franzina que usava um pequeno rabo de cavalo.


Já Suzana era mais nova.Mas os infortúnios da profissão de policial deixavam marcas de esgotamento em seu rosto,aparentando assim mais idade.


Eram quinze anos no cargo de delegada de polícia,sendo cinco deles á frente da delegacía de proteção a mulher.


- Como esta o estado dela doutora Ilda?


- Veja Suzana;ela chegou aqui num estado deplorável.


- Duas fraturas no braço direito,queimaduras de ferro pelo corpo,perfurações com objeto contundente nos seios.


- Cortes com lâmina no torax,abdomem e pernas.


- Tivemos que fazer cirurgías para reconstruir a vagina e o ânus,girurgía para recolocar e manter o globo ocular direito dentro da órbita...


- Espere!- disse Suzana estancando o passo e segurando no braço de Ilda -


- A senhora esta me dizendo que essa menina passou por tudo isso e esta viva??


- Eu não mencionei ainda as cirurgías para a reconstrução do rosto...ela foi violentamente espancada...


Suzana sentiu um pequeno tremor nas pernas.


- Vamos indo?- perguntou Ilda -


As duas recomeçam a andar.


- Foram vinte dias em coma,ela perdeu muito sangue.


- Depois que ela voltou a si tivemos que mantê-la em aparêlhos ate que pude-se respirar sozinha.


- Meu deus...- murmurou Suzana -


- Ela é forte!- disse Ilda-Ela tem uma vontade de viver muito grande,por isso resistiu!


Elas param diante da entrada de uma CTI.


- Ela esta aqui - disse Ilda mantendo as mãos dentro dos bolsos do jaléco -


- Eu sei que na profissão de policial a senhora deve estar acostumada a ver todo tipo de coisa,mas devo alertá-la quanto ao que vai presenciar agora!


Os quinze anos de vivência policial a estavam traindo!


Uma mistura de ansiedade e insegurança a tomaram,provocando um pouco de náuzeas.


- Sim!Vamos entrar!- disse Suzana dando um passo para dentro da sala -


Haviam quatro leitos na CTI.


Dois homens proximos a entrada,uma senhora em uma terceira cama e mais um que estava atráz de um biombo de tecido verde claro.


Suzana foi andando lentamente.


O biombo foi se aproximando e aos poucos foi deixando á mostra o leito escondido.


As pernas de Suzana pararam de se mover.


Ela ficou paralizada,estática,sem ação.


Um corpo estava sobre o leito.


Um leito que continha um apoio genicológico que fazia com que as pernas ficassem suspenças e abertas,cobertas por um lençol de um igual tom verde claro.


O corpo de Flávia estava um pouco reclinado para frente.


Ela tinha o braço direito engessado.


O braço esquerdo estava esticado para fora.Ele levava todos os condutores de soro e medicamentos.


Parte da sua cabeça estava enfaixada e a faixa descia pelo lado direito do rosto encobrindo o seu olho direito.


Seu olho esquerdo era uma única e nêgra bola de sangue pisado,que deixava uma pequena brecha aberta ,onde podia-se ver um vermelho sangue no lugar do branco do globo.


Seu nariz estava inchado e roxo.


Tão inchado que a parte inferior se unia ao lábio superior.


Ela havia perdido os incisivos centráis,laterais e os caninos superiores.


Havia uma pequena sonda que saia de suas narinas,e uma cânula de traqueotomia ainda estava em sua garganta.


Ematomas roxos e vermelhos pelo rosto massacrado e a contínua sinfonía de bip's dos aparelhos que monitoravam seus sinais vitáis completavam a cena!


Suzana não se conteve!Ela levou a mão ate a boca,deixando lágrimas escorrerem pelo seu rosto.


Ela olhou inconformada para doutora Ilda,que em resposta voltou o olhar para o chão.


- Tem certeza de que ela consegue falar??- perguntou Suzana -


- Ela quer falar!- respondeu Ilda -


Suzana segurou sua bolsa junto ao corpo com as duas mãos e se aproximou lentamente do leito.


Seu queixo tremia e os seus olhos estavam marejados de lágrimas.


Ela toca a mão de Flávia com delicadesa e carinho.


Doutora Ilda se aproxima pelo outro lado do leito,ainda com as mãos metidas nos bolsos.


- Flávia.- começa doutora Ilda- Essa é a delegada Suzana,ela veio falar com você,tudo bem?


A mão esquerda de Flávia se virando e segurando vagarosamente na mão de Suzana foi a resposta de "sim".


- Meu deus!- exclamou Suzana em lágrimas -


- Eu vou deixa-las a sós- disse doutora Ilda -Apenas não a force muito por favor!


Doutora Ilda se retira,enquanto Suzana puxa um banquinho matálico e se senta ao lado do leito.


Suzana fica por alguns segundos observando aquele rosto deformado.


A vermelhidão do olho esquerdo lhe provoca uma má impressão,fazendo com que mais lágrimas lhe caissem dos olhos.


- Flávia,meu amor...quem fez isso com você?


Flávia fez um movimento com a boca como que se engoli-se algo.


Um som estranho saiu da cânula em sua traquéia.


- Eu vou...contar...tudo...


A voz saia baixa,abafada,forçada.


- Como você esta aguentando tudo isso ??


Suzana podia ver agora o movimento de sobe e desce do peito de Flávia.Ela respirava com dificuldade.


- Eu aprendi...a controlar ... a dôr...com o...meu dono...


- Desculpe...eu não entendi direito Flávia,você disse "dono"??


- Sim...dono...aliás...ex...dono...


- Eu não entendo,você quer dizer,namorado,marido??


- Não...eu...sou...uma...submissa...sado...maso...quista...


- Sadomasoquista??Você pratica sadomasoquismo??


- Sim...


- E foram os masoquistas que fizeram isso com você??Filhos da puta!!!- exclamou Suzana enfurecida -


- Não...não...não tire...conclusões...precipitadas...doutora...


- Você fala em ex-dono...sadomasoquismo...


- Um...domi...nador...jamais...faria...isso...


Flávia movimenta a boca,engole algo,som estranho na cânula.


- Eu preciso que você me conte o que houve,para que eu possa prender quem fez isso com você,entende?


- Eu vou...contar...tudo...doutora...tudo...


"- Eu tinha um dono.


O nome dele era Senhor Thorio.


Eu o servi fielmente durante quase quatro anos.


Eu era uma sub fiel,correta,sincera!Eu amava o meu dono,fazia tudo e qualquer coisa pela felicidade dele!


Tudo estava muito bem ate que a três mêses atráz ele me comunicou a sua decisão:


- Flávia,quero avisá-la de que a partir de agora você te-rá duas irmãs de coleira!"


- Irmãs de coleira?Submissa?Olhe,pelo que estou entendendo Flávia,você era uma escrava sexual?


É isso?- perguntou Suzana -


- Não...doutora...uma sub...não é...nece...ssária...mente...uma...escrava...sexual...


"- Eu tinha prazer em servir ao senhor Thorio,em ser dele,em pertencer a ele!


Eu cuidava dele e ele cuidava de mim!Era um relacionamento baseado no amor,no respeito,na honra! Em quase quatro anos eu nunca havia contradito uma só ordem do meu dono,nunca o havia contrariado em nada!


Mas naquele dia eu sai fora de mim!


Um ciúmes louco e doentio tomou conta do meu coração!


Ter irmãs de coleira significava que eu teria que dividílo com outras mulheres!


Ele não seria mais só meu!Ele iria dispender seu tempo e sua atenção com mais duas mulheres!!


Eu não iria permitir aquilo,nunca!!


Senhor Thorio era o "meu" dono!!Meu!!!


- Eu não vou aceitar isso!!!-berrei-


- Flávia,controle-se!-disse ele -


- Eu não vou aceitar!!Não vou!!Jamais!!Nunca!!!


- Flávia,recomponha-se!Olhe o tom que esta usando comigo!!


- Fôda-se!!Eu não aceito!!O senhor é meu dono,eu sou sua,só sua!!


- Flávia,já tomei a minha decisão e assim sera!!Agora,recomponha-se ou irei castigá-la!!


- Eu não vou me recompor porra nenhuma!!!


- Não vou aceitar duas vagabundas como irmãs!!


- Flávia,pare de gritar e vá para a sala do castigo,agora!!


- Eu não vou para lugar nenhum!!


- Flávia,não me obrigue a usar de força com você!!


- Obedeça!!Agora!!"


- E, esse "dono",senhor Thorio,ele bateu em você nesse dia?


- Não...eu...arranquei...a...correntinha...com as...iniciáis...dele...do...pescoço...e...o...anel...dele...e...taquei...no...chão...


"- Estou tirando a minha coleira!!


- Toma essas merdas!!Mande derreter e faça coleiras para as suas duas vagabundas!!


- Flávia,eu estou mandando você ir para a sala do castigo,agora!!


- Eu não vou!!Eu vou embora!!Não vou aceitar duas vadias como irmãs,nunca!!


- Flávia!!


- Não aceito!!Eu me recuso!!"- berrava-


- E o que ele fez?


- Senhor...Thorio...é...um...domina...dor...serio...ele...sabia...que eu...iria...me...arre...pen...der...depois...


"- Abra essa bosta dessa porta para eu ir embora!!- gritei -


Senhor Thorio tinha que abrir a porta da rua para mim sair,asim eu estaria sendo banida por ele da sua casa !


Mas não!


Ao invés disso,ele manteve o controle e aquela voz grave e calma e disse:


- Abra a porta você mesma!Se quiser sair,que saia pelas próprias pernas!


Eu sabia que se encosta-se a mão naquela maçaneta estaria cometendo o pior dos erros que poderia cometer como sub!


Abandonar a casa do próprio dono depois de insultá-lo e desobedecê-lo!


Isso realmemte poderia me custar a coleira!"


- E você saiu?


- Sim...eu...senti...um...aperto no peito...quando...abri ...a porta...


- E ele não a impedio?


- Não...senhor Thorio...é um...domina...dor...serio...respei...tado...no meio...


- Ele...já estava...começando...a me...punir...ali...


Movimento com a boca,engole algo,som estranho na cânula.


- E depois disso?O que você fez?


"- Sai da casa do senhor Thorio batendo a porta com violência!


Eu estava morrrendo de raiva,morta de ciúmes!


Mas eu sabia o que iria fazer para me vingar dele!


Chegando em casa eu entrei na internet,fui para o site de relacionamento,entrei em minha pagina e tirei a minha coleira virtual.


Apaguei a dedicatória que havia feito para ele,onde declarava o meu amor a minha entrega como escrava e a minha fidelidade!


Durante dias eu andei pelos perfís e comunidades em busca de um outro dono!


Eu queria colocar a coleira de alguém e esfregar na cara dele!


Queria que ele senti-se no coração o que eu estava sentindo!


Eu queria ofendê-lo,machucá-lo!


Mas,como ele não havia feito um anuncio oficial de perda de coleira,nenhum dominador serio me aceitou!


Alguns deles me chamaram a atenção,foram duros comigo!


Algumas amigas submissas me alertaram,tentaram me fazer mudar de idéia,voltar atráz,pedir perdão,mas eu estava irredutível!"


- E por quanto tempo foi isso?


- Eu...fiquei...quase...dois mêses...a procura...de alguém...


- E encontrou?


- Sim...eu...iria...encontrar...alguém...


"- Numa noite eu estava olhando comunidades BDSM,e em uma delas eu vi um tópico que dizia:


"DOMINADOR PROCURA SUB PARA CONTATO REAL".


Eu entrei e coloquei ali o meu endereço de messenger e fiquei aguardando.


Não demorou muito ate que um tal de "Rafa" fez um convite para mim.


Eu aceitei.


Começamos a conversar.


Ele era diferente dos dominadores que eu conhecia e muito,muito diferente do senhor Thorio.


Ele não falava como os dominadores.


Me chamava de vadia,de puta.


Me humilhava muito.


Mas a minha loucura não me deixava ver o erro que estava cometendo!


Uma noite ele mandou eu me exibir na cam,nua!


Mesmo com raiva,o meu coração ainda respeitava o senhor Thorio e eu disse que minha cam estava quebrada.


Achei estranho pois,ele não falava nada em avaliação,negociação..."


- Avaliação?Negociação?O que é isso?


- Esse...é o...processo...inicial...pelo... qual...uma ...sub...passa...antes de...receber...uma...coleira...


- E esse tal de Rafa não quis fazer nada disso?


- Ele...não ...falava...nada...disso...ele...só...falava...em...sexo...


Flávia tosse um pouco,engole,som estranho na cânula.


- E o que aconteceu?


- Eu...me deixei...levar...pela...raiva...e pelo...ciúmes...


"- Perguntei a ele se poderia colocar a coleira dele na minha pagina de relacionamento.


- Você que sabe,quer colocar,coloca!


Essa foi a resposata dele para mim!


Mesmo assim,sentindo no coração que estava caminhando para um erro imperdoável,eu fui em frente!


Coloquei uma coleira virtual em minha pagina.


Eu sabia que senhor Thorio estava me monitorando!


Eu estava indo a forra com ele!!


Mas eu queria mais!Muito mais!!


Com dois mêses de relacionamento virtual eu propuz ao Rafa que nos encontrássemos para uma sessão!


Eu queria fotos para colocar na minha pagina e poder humilhar ainda mais ao senhor Thorio!


Idiota!Estúpida!"


- E você marcou o encontro?


- Eu...tentei...marcar...várias...vêzes...mas ele...sempre...dava...uma...desculpa...


- E esse Rafa,ele é de onde?


- Ele...é...daqui...mesmo...


Flávia fica um tempo em silêncio.


Ela segura firme na mão de Suzana.Sua respiração é ofegante.


- Você quer parar Flávia?Quer que eu volte outro dia?


- Não...só preciso...um pouco...descanso...


Enquanto Flávia recuperava o fôlego,Suzana tentava reciocinar sobre aquele estranho mundo que se abria a sua frente!


Um mundo de homens dominadores e de mulheres que se submetiam a caprichos e castigos físicos por amor,por opção!


- Eu gostaria...de poder...tomar...água...mas...não...posso...


- Quer que eu chame alguém?


- Não...não adianta...


- Quer continuar?


- Sim...


- Vocês se encontraram ou não?


- Sim...nós...nos...encontramos...


"- Finalmente numa noite ele concordou em marcar o encontro.


Disse que fariamos uma sessão e que faria as fotos que eu quisese.


Marcamos a data e o horário.Ele me passou um endereço,nos Jardins.


Foi numa sexta feira a noite.


Eu cheguei na frente do prédio,um prédio de alto padrão.


Me identifiquei para o porteiro e ele me deixou subir.


O meu coração batia forte,eu estava com um mau pressentimento,mas mesmo assim fui em frente!


Eu ignorei totalmente as regras de segurança do BDSM!


Eu não comuniquei ninguém sobre onde eu iria ou com quem estaria!


Fui estúpida irresponsável e infantil!


Cheguei no apartamento,toquei a campainha.


Quem me atendeu foi um jovem de uns dezoito ou dezenove anos de idade.


- Olá.- disse insegura -


- Oi,eu sou o Rafa,entra ai!- disse ele -"


- E nesses dois mêses de relacionamento virtual você nunca havia visto ele?


- Não...ele usava uma foto de um cão pit bull...e nunca abrio a cam para mim...


- Mas,ele havia dito a idade dele para você?


- No messenger...ele disse...que tinha...trinta e cinco anos...


- E você acreditou?


- Como ...disse...doutora...eu...fui...uma...idiota...


Flávia tosse,geme de dor.


- Quer que chame alguém?


- Não...isso é...normal...


- Você entrou no apartamento ,e ?


"- Assim que eu entrei ele fechou a porta e a trancou atráz de mim.


Até ai tudo bem,normal em quem mora em apartamento.


Ele estava ouvindo Funk,alto.


Já detestei o lugar por isso!Eu odeio Funk!


Não sei o que leva um garoto de classe media alta a ficar ouvindo esse tipo de coisa,mas enfim...


Eu fiquei parada no meio da sala.


Ele não disse não nada.


Tinha um copo de bebida sobre uma mesa de jantar que ele pegou.


Nisso eu ouvi vozes vindas de um outro cômodo.


Eram vozes de mais dois rapázes da mesma idade.


Eles entraram na sala rindo alto,um trazia um litro de wisque na mão,o outro


um copo de bebida.


- E ai Rafinha,é essa ai a tal escravinha?- perguntou um deles rindo-


- É,é essa mesmo...


Na hora percebi que não deveria estar ali mesmo!


Comecei a ficar com medo.


- Olha Rafa- comecei - Na verdade eu só vim aqui para dizer que não vou poder ficar,estou com um problema hoje e só queria te conhecer...


- O que??Não!!Você vai ficar sim!!E vai nos servir direitinho!


- Olha...vocês estão totalmente equivocados...não é nada disso que vocês estão pensando...eu vou embora...


Eu não havia notado que um deles estava atráz de mim!


Foi o primeiro soco que levei,bem na cabeça!


Eu rodopiei e cai tonta no chão.


Um outro rapáz veio com um par de algemas e prendeu minhas mãos para tráz.


Rafa enfiou um pano em minha boca e em seguida me amordaçou com fita adesiva.


Eles riam,riam sem parar!E aquela droga de Funk tocando alto!


Fui arrastada para um quarto e eles trancaram a porta.


Me jogaram sobre a cama,rasgaram minha roupa!


Comecei a chorar,e comecei a rezar!


A imagem de senhor Thorio veio em minha mente!Eu queria ele ali!Queria que o meu dono fosse me salvar!


Naqueles poucos segundos muitas coisas passaram pela minha cabeça!


Minhas amigas me alertando,senhor Thorio me deixando ir embora,e uma conversa que eu havia tido uma vez com um dominador no messenger,onde ele me dizia:


"- Cuidado,pois,amarrou as mãos,passou a mordaça,sua vida esta nas mãos de outra pessoa!"


E era justamente aquilo que estava acontecendo!


Minha vida estava nas mãos de uma trinca de moleques,mauricinhos irresponsáveis!


Eles começaram a me surrar com um cinto.


Me xingavam,socavam o meu rosto!


- Ai Rafinha,você tem que me ensinar esse negocio de "puta" de graça!- disse um deles rindo -


- Eu te ensino como se faz,pode deixar!


- Thiaguinho,Thiaguinho,cadê a coleira e a corrente que você trouxe?


- Esta aqui!


Eles colocaram um enforcador de cachorro no meu pescoço com uma corrente.


O que colocou,um tal Rodriguinho,começou a me puxar pelo pescoço.


- Ai Rafa,vou levar sua cadela "pra" passear!!


Ele puxou o enforcador,as pontas de metal entraram em minha péle ferindo o meu pescoço!


Ele me puxou derrubando meu corpo no chão.


Quando cai,minha cabeça bateu no pé dele, e ele começou a gritar:


- O Rafinha!Sua cadela bateu a cabeça no meu pé!!Vagabunda!!


Ele começou a rir e a chutar a minha cabeça e o meu rosto!


Aquilo era um pesadelo que estava só começando!


Recebi chutes no rosto,na cabeça e nas costas!


Rodriguinho largou a corrente e foi ate uma mesinha.


Ele se inclinou sobre a mesa e pelo movimento que fez eu percebi que ele cheirava cocaina.


Eu queria morrer ou desmaiar,mas não conseguia!


A única coisa que me vinha á cabeça era a imagem do meu dono!"


- E você não tinha como fazer nada...


- Não...eu estava...algemada...e...amordaçada...


- E continuaram as agreções?


- Sim...


"- Rafa me pegou do chão com violência,me jogou de bruços sobre a cama e começou a me estuprar de todas as formas!


- Ôh,ôh,ôh,espera ai Rafinha!Já vai começar?E a tal sessaõ?- perguntou Thiaguinho rindo-


- A sessão é essa aqui "amigucho"!Vamos "comer" a minha escravinha!!


Foi uma sucessão de curras e de socos e pontapés.


Em dado momento Rodriguinho veio de fora trazendo dois garfos.


- Cara!Eu sempre quis fazer isso para ver se explodem!!- disse ele rindo e espetando os garfos em meus seios -


- Rafinha,tem ferro de passar ai?- perguntou Thiaguinho -


- Na lavanderia...


Eu estava estática!Não conseguia mais chorar,não conseguia me mexer,não conseguia piscar,não conseguia fazer nada!


Comecei a usar os métodos ensinados pelo senhor Thorio de controle da dor ali mesmo."


- Isso é loucura!Só pode ser loucura!!


- Não doutora...sado...maso...quismo...é...uma...arte...não...loucu...ra...


- Você estava sendo torturada...estuprada...como pode conseguir manter um controle?


- Disciplina...doutora...anos...de...disciplina...


- E você sentio tudo,assistio a tudo?


- Sim...


"- Eles me espancaram,riam,chutavam meu corpo!


Bebiam,se drogavam e ouviam Funk!


Thiaguinho voltou com um ferro de passar roupas.Ele o aqueceu e começou a encostá-lo em meu corpo.


Eles riam muito...muito mesmo...


- Vou deixar a minha marca de dono em você puta!- disse Rafa com um estilete na mão-


Ele começou a fazer cortes no meu corpo.


Nos seios,na barriga,nas pernas.


- Escreve o seu nome Rafa!- disse Thiaguinho -


Em dado momento eu estava caida no chão,quando recebi mais um chute no rosto!


De repente minha visão ficou confusa!Eu enxergava para frente e para os lados ao mesmo tempo!


Só aqui eu fui saber que o meu olho direito havia saido da órbita!


Quando eles terminaram com a garrafa de wisque,Rafa a pegou e disse aos outros:


- Eu li um negocio da internet que esses caras fazem que se chama "flex".


- Eles enfiam a mão inteira dentro da buceta de uma mina dessas!


- Vamos ver o que consigo fazer com uma garrafa!!- disse Rafa rindo -


Ele me virou de bruços,colocou a boca do litro vazio na direção do meu ânus e o empurrou com toda a força!


A morte não era a minha amiga!


Ela se negava terminantemente a me levar com ela!


Eu só tinha a imagem do meu dono na minha cabeça!


Ali,naquele momento,eu era uma coisa,uma massa de carne sem vida!


Passado um tempo eu acho que eles se cansaram de mim e me deixaram caida no chão!


Eles continuaram bebendo e se drogando e ouvido Funk.


De repente,ouvi pancadas na porta do quarto.


Alguém batia com força e berrava:


- Rafaél!Abre essa merda!!


Por um instante eu achei que seria a minha salvação!


- Rafaél!Abre essa merda!!


Rafa foi ate a porta e a abrio.


Um homem usando gravata irrompeu quarto á dentro gritando:


- Desliga essa merda Rafaél!O síndico esta me enchendo o saco!


Ao me ver caida no chão ele berrou:


- Mas que merda é essa que você esta fazendo aqui Rafaél??O que é isso??


- Ah pai,não enche o saco,isso é coisa minha!


- Coisa sua??- berrou o homem - Tira essa vagabunda daqui agora!!


- Quer arruinar a minha carreira no banco??E se essa puta morre aqui??


- Pai,já disse,não enche,isso é coisa minha!!


O homem agarrou Rafa pela camiseta,falando bem perto do seu rosto:


- Pois você vai tirar essa vadia daqui agora!Você vai se virar!Jogue no lixão,jogue no rio,se vira!!!


- E se a polícia pegar a gente na rua?- argumentou Rafa -


- Eu me viro com a justiça!!


- Mas eu não quero escândalo envolvendo o meu nome,entendeu???


- Entendeu??


Ele disse isso e empurrou Rafa,jogando-o no chão.


O homem da gravata saiu batendo a porta.


Eu estava sangrando muito.


Eles esperaram um bom tempo ate que me colocaram em um lençol,me levaram para o elevador e foram ate a garagem do prédio.


Lá,Rafa abrio o porta malas de um carro ,onde fui jogada como um saco de lixo.


Eles rodaram um bom tempo comigo dentro do porta malas,ouvindo Funk e fazendo o meu corpo bater de um lado para o outro.


O carro parou, o porta malas abrio.


Eles me pegaram,e a última coisa ouvi foi Rafa dizendo:


- Joga essa porra ai! "Vão bora,vão bora"!!


Meu corpo rolou,comecei a sentir um cheiro horrível,não fazia idéia de onde estava.


Senti frio,mas o frio foi diminuindo,perdi os sentidos,acordei aqui...


Suzana ficou parada olhando para Flávia.


-Loucura!- repetio ela -


- Foi isso...doutora...o que...aconteceu...


- Você se lembra do endereço?


- Claro...eu...não vou...esquecer...nunca...


- Pois eu vou prender esses filhos da puta covardes!!


- Não...não vai...doutora...


- Claro que vou!Por que não??


- São...pessoas...influentes...os bolsos...da justiça...no BRASIL...são largos...


- É uma questão de honra para mim Flávia!Eu vou prender esses pit boys covardes!!


Flávia movimenta um pouco a cabeça.


- Estou...cansada...


- Eu volto para lhe visitar e trazer notícias.- disse Suzana -


Suzana faz um carinho na mão de Flávia e se retira.


Flávia tentava relaxar,quando ela ouve a voz da doutora Ilda.


- Flávia?Esta acordada?


- Sim...


- Tenho uma visita para você.


Com dificuldade ela foca o olho esquerdo para ver quem seria a visita.


Aos poucos ela reconhece a figura do senhor Thorio,que se aproxima do leito e pega em sua mão.


Flávia não se contém e começa a chorar.


- Perdão...perdão...perdão...


- Psiiiii!!!- faz senhor Thorio levando o indicador junto aos lábios -


- Relaxe e descanse...


- Perdão...meu senhor...


Thorio afaga a cabeça de Flávia com carinho.


- Eu não deveria ter deixado você sair ...


Flávia soluça.


- Eu virei visitá-la ate que fique boa e possa voltar para "casa".


- Meu senhor...me aceita...de volta??


- Você é minha,Flávia!Eu nunca desisti de você!


- Uma...delegada...esteve...aqui...disse...que vai...prender...quem fez...isso...


- Não vai não!- disse Thorio -


- Por que...senhor??


- Eu mandei Serena e Irene monitorarem você e o rapaz!


- Serena começou a assediá-lo e ele marcou um encontro com ela também!


- A confiança na impunidade pela justiça foi tanta que ele passou o mesmo endereço para ela!


- E...o que houve...com ela...senhor?


- Com "elas",nada!


- Mas tenho um amigo que já os "encontrou",antes da delegada!E que isso fique entre nós!


- Entendeu?


- Sim...meu senhor...


Três dias depois a doutora Suzana volta ao hospital.


- Estou com uma certa vergonha de olhar para você Flávia!


- O que houve...doutora?


Suzana suspira.


- Eu tive que praticamente implorar para conseguir que um juiz emiti-se um mandato de prisão preventiva para os três rapázes!


- Quando eles viam os nomes deles,todos davam uma desculpa e saiam fora!


- Só um atendeu o meu pedido!


- E?


- Bem,quando chegavamos nos endereços para cumprir os mandatos,nos informavam que eles haviam desaparecido...


- Eles...fugiram?


- Não...eu agora estou falando como mulher,e não como delegada Flávia!


- Eles tiveram o castigo merecido!


- O...que houve...com eles...doutora?


Suzana suspira novamente.


- Eles foram encontrados em um galpão abandonado...acho que estavam envolvidos com tráfico de drogas,não sei...


- Deve ter havido algum desentendimento entre eles e mais alguém!


- Havia pacotes de drogas no local...


- O que houve...com eles...doutora?


Suzana reluta um pouco em responder.


- Como disse,estou falando agora como mulher e não como delegada!


- Eles foram empalados vivos em varas de bambu farpadas,Flávia!


- Algo horrível!O legista disse que demoraram muito para morrer!


Flávia ficou em silêncio.


- Bem - começou Suzana-Eu vim aqui para lhe trazer essa notícia!


- Eu vou continuar a visitá-la e gostaria muito que nos tornáse-mos amigas.


- Sera um prazer...doutora...


Éra perto de meia noite e caia uma garoa fina na zona norte .


O Land Rover preto estacionou junto ao Horto Florestal.


A porta se abrio e senhor Thorio saltou,indo em direção ao outro homem parado junto a um Dodge 74 preto.


- Estou devendo um favor ao nobre amigo!- disse Thorio -


- Favor algum!- respondeu o homem de negro,cabelos grisalhos e olhos claros-


- A justiça corrupta do pais iria deixá-los livres!


- Temos que nos resguardar!


- Sim!- respondeu Thorio-Temos que nos resguardar!


- Dominationis et honor!- disse o homem grisalho estendendo a mão direita-


- Dominationis et honor!- respondeu Thorio apertando a mão do outro homem -


O grisalho entrou no Dodge preto,deu a partida e saiu.


O som do motor era semelhante ao rugido de um animal.


Thorio voltou para o Land Rover e se foi...





Nota:





"A ação e o envolvimento de pessoas não praticantes de BDSM,fetichistas e curiosos tem provocado um desvio de conduta junto aos verdadeiros praticantes dessa arte.


Isso coloca em risco a integridade física de submissas e submissos,denigre a imagem do movimento ,confundem os iniciantes,sejam dominadores ou subs, e desviam os praticantes da verdadeira conduta e liturgía BDSM!


Esse foi um conto de ficção!


Mas que dominadores e principalmente subs,fiquem atentos aos contatos virtuais!


Forte abraço a todos,DOM KABALTA."






































3 comentários:

princess kitty disse...

Já li todos contos que tem aqui no teu blog e sou fascinada pela maneira que conduz as histórias. Gosto muito dos contos que se passam dentro do Império, e tbm desses últimos em que fez homenagens a suas amigas ou esses mais do dia a dia, o BDSM comum.

Mas de todos que já li esse é o que mais impressiona. Pela crueldade, pela responsabilidade do verdadeiro Dominador e pelo alerta. Sou iniciante há quase 2 anos entrei no meio e comecei a manter contatos, encontrei muitos "pseudo dominadores" por aí, mas sempre tive sorte e coerência ao saber diferenciar as pessoas. Hoje tenho um Mestre que me guia há mais de um ano e sempre me alertou muito em relação a tudo isso.

Miaubeijos =^.^=

Sargento Carrasco disse...

Infelizmente, o meio tem se tornado um dos campos de busca por "sexo fácil" por aqueles que pouco se importam com nossos pilares básicos (SSC) ou com algum tipo de etiqueta ou bom senso.

O alerta do nobre colega é importantíssimo e, infelizmente, real. Já fomos (eu e minha menina) a diversos encontros com pessoas sérias do meio e em nenhum deles havia seuqer cerveja; todos sóbrios e felizes, satisfeitos...

Parabenizo todas as pessoas que lutam para manter o BDSM uma coisa séria e responsável, e aqui, em especial meu amigo DOM KABALTA!

Forte abraço!

"A mão que te castiga é a única que nunca vai te machucar!"

ivanildo black disse...

Parabeniso tambem pela alerta aos Dom e sub!