domingo, 29 de agosto de 2010

Leonora


Não há como escrever sobre todas as mulheres com as quais me envolvi ate hoje.

Bem que eu gostaria de fazer uma homenagem para cada uma delas,mas para isso precisaria de muito mais tempo!

Escreverei então sobre aquelas que me marcaram e que fazem parte do meu dia a dia.

Poderia começar por minha mulher e sub alfa,"Nana",como é carinhosamente chamada.

Mas resolvi dar início a essa sessão com outra pessoa,alguem que conheço á anos.

Doida,sincera,amiga,legítima,bela,atraente e sadomasoquista;

LEONORA!

Ah!Lelê!

Leonora é assessora de um deputado federal.

Um desses lixos corruptos que infectam a política brasileira!

Não vamos falar de coisas ruins.

Lelê passa parte do tempo em Brasília,parte aqui em São Paulo no escritório político do lixo.

Tem dias que ela some do mapa,tem dias que não tem o que fazer e tem dias que tem menos que isso ainda!

Leonora é praticante passiva do sadomasoquismo.

Apesar disso,se meteu a ser dominadora e ficou dois anos com um escravo que transformou a vida dela num inferno quando ela o dispensou.

Bem,sem querer entrar muito no assunto,eu tive que botar o cabra para correr.

Enfim,vamos ao que interessa.

Foi em um desses dias em que ela não tinha nada para fazer ao quadrado,que combinamos uma sessão em minha casa.

Ela chegou no final da tarde,em uma quinta feira.

Como ja disse,Leonora é sádica passiva.

Assim que abri a porta e a vi,levei o indicador aos lábios,olhando fixo em seus olhos.

Dali por diante ela sabia que não poderia mais falar,soltar um "pio" sequer.

Particularmente eu não gosto de ser rude com minhas meninas,tanto que vivem dizendo que sou goreano.

Mas com Leonora eu costumo pegar mais pesado.

Mandei-a entrar e fechei a porta.

Ela colocou a bolsa sobre o sofá e ficou em pé no meio da sala olhando para mim.

- Dispa-se!- ordenei e ela obedeceu imediatamente,começando a tirar a roupa -

Enquanto ela se despia fui ate o quarto e peguei um conjunto de correias com correntes.

Quando voltei ela ja estava praticamente nua,acabando de tirar a calcinha.

- Não olhe mais para mim!- ordenei-

Leonora baixou os olhos,passando a olhar para o chão.

Passei uma correia larga pela sua cintura,e coloquei duas menores,uma em cada tornozelo.

A correia maior tinha uma argola na parte de traz,assim como as menores tambem.

- Fique de quatro!- ordenei! ela imediatamente tomou a posição!-

Passei a corrente pela argola da correia da cintura e em seguida prendi cada uma das pontas em um dos tornozelos usando cadeados.

Dali por diante ela só conseguiria ficar de quatro,ou de cócoras ou sentada de lado,mas não poderia mais se levantar.

Eu me abaixei em frente á ela,beijei sua boa com um beijo longo e bem molhado como ela gosta,em seguida,enfiei uma "bolinha de cachorro" em sua boca,colocando em seguida uma mordaça focinheira.

Coloquei uma correia em sua testa,passei uma corrente pela argora e prendi a outra ponta na argola da cintura.

Isso puxou a cabeça dela para traz,obrigando-a a ficar olhando para frente.

Para completar,coloquei um prendedor de roupas grande em cada um dos seus mamilos.

- Fique ai!- Ordenei.É claro que ela iria ficar la...-

Fui para a cozinha preparar o jantar.

Nesse dia minha alfa não estava na cidade.Ela havia ido para a sua cidade natal,estava com alguns problemas familiáres.

Eu ja havia ligado para ter certeza de que ela não viria para São Paulo.

Nana adora me fazer surpresas!Mas dessa vez ela não viria.

Não que houvesse algum problema em ela chegar e encontrar Leonora de quatro no meio da sala,pois,de uma forma ou de outra,ela e minhas meninas seriam meio que"irmãs de coleira".

A minha preocupação era ela chegar trazendo alguem da família,ai o bicho pegava...

Tanto eu como Leonora adoramos massas.

Para aquela noite eu iria preparar um rondele quatro queijos.

Separei todos os apetrechos necessários para preparar a comida,inclusive duas colheres de pau.

Por que duas?Uma para cozinhar,outra para Leonora!

Todo bom dominador sabe da versatilidade de uma colher de pau em uma sessão!

E eu sou um usuario assíduo desse assessório!

Abri uma garrafa de vinho tinto seco(meu preferido)e comecei a trabalhar.

Leonora ali,no meio da sala,na mesma posição...

Passado algum tempo,peguei minha colher de pau e fui para a sala.

Andei ao redor de Leonora batendo a colher de pau na palma de minha mão,ela sabia o que a esperava.

Parei atraz dela,e desferi um golpe dom a colher em concha na direção da sua vagina!

Ela soltou um gemido,abafado pela mordaça.

Virei a colher,e com o outro lado,desferi mais um golpe,acertando o seu ânus.

Um gemido longo...

Dei golpes firmes que acertaram suas nádegas e suas coxas.

Ela gemeu,mas manteve-se firme ali,na sua posição!

Sabe o que é engraçado?

O deputado lixo esta com Leonora á anos por que gosta dela!

Ele diz que ela é atrevida,ousada e mandona!

Da pra acreditar??Va entender uma coisa dessas...

Voltei para a cozinha para terminar o jantar.

De tempo em tempo eu ia ate a sala e surrava Leonora com a colher de pau.

Suas nádegas e suas coxas ja estavam com marcas vermelhas e alguns vergões.

terminando de preparar o jantar eu arrumei a mesa,para um,bem dito!

Em seguida,peguei um pano de prato e o coloquei no chão.Eu espalhei grãos de feijão por ele e em seguida o dobrei.

Peguei uma vasilha de comida para cães e a coloquei no chão junto ao pano.

Tirei a comida do fogão e levei para a mesa.

Preparei o meu prato e o "prato" de Leonora,a vasilha de cachorro.

Leonora é gulosa!(kkkk,entreguei!!!)

Ela adora comer bem!!Mas isso de forma alguma influi em suas curvas perfeitas!

Coloquei na vasilha três pedaços de rondeli e para "sacanear" Leonora,bastante molho!

Me voltei para a sala e disse;

- Vem!

Leonora então começou a se mover lentamente,dando meia volta sobre o tapete da sala e começando a vir de quatro para a cozinha.

Conforme ela se movimentava os elos das correntes emitiam um som característico.

Ela veio ate a cozinha.

Eu mandei que ela fica-se de joelhos sobre o pano de pia,ou seja,sobre os grãos de feijão.

- Fique com o corpo eréto!- Ordenei -

Ela o fez.

Ficou de joelhos sobre os pano com os braços soltos ao lado do corpo,olhando para cima,pois a corrente a impedia de olhar para frente.

- Mãos para traz! - Ordenei-

Ela o fez,e eu amarrei suas mãos ás costas.

Voltei,me sentei e comecei a fazer minha refeição,lentamente,enquanto Leonora ficava ali,de joelhos sobre os gãos de feijão,olhando para cima.

Para mim foram uns vinte ou vinte e cinco minutos ate terminar de comer.

Para alguem que estava na situação de Leonora passaram-se horas!

Passei o guardanapo na boca e me abaixei ao lado dela.

Soltei a corrente da cintura e da testa,permitindo que ela olha-se para frente e tirei a mordaça.

Nem um "pio",nem um único gemido!

Eu adoro Leonora!Éla é exemplo para muitas subs que tem por ai!!

Tirei os prendedores dos mamilos e usei um deles para segurar seus cabelos em um coque que havia feito.

Bem...quase deu certo...

Mas,enfim.

Quando ela estava pronta eu ordenei:

- Coma!

Leonora foi se curvando aos poucos para frente.

Seu tronco começou a tremer devido a força que fazia para não cair de cara em cima da vasilha.

Ela foi se curvando ate encostar o rosto na vasilha,e começou a comer,enfiando a cara dentro dela.

Fiquei ali,de cócoras ao lado dela,vendo-a comer.

Ela pegava um pedaço do rondeli com a boca,mordia,soltava,mastigava,pegava de novo.

Seu rosto foi se lambusando com o molho e pedaços de massa.

Quando terminou,fez um esforço com o dorso e voltou a posição eréta.

Leonora tinha molho de tomate no queixo,na boca,no nariz,na testa e entre os olhos.

Suas narinas estavam cheias de molho,por isso ela respirava pela boca.

Com a ajuda de um guardanapo eu limpei seu rosto.

Soltei suas mãos,tirei as correntes dos tornozelos e mandei que ela se senta-se no chão.

Fui ate o banheiro e preparei a banheira.

Quando voltei á cozinha ordenei que fica-se de pé.

Eu a peguei no colo e a levei para o banheiro,Coloquei-a na banheira e a banhei com uma esponja grande a macia.

Após isso,eu a levei para o quarto,onde a deitei sobre uma grande a macia toalha de banho e sequei seu corpo com todo cuidado e carinho.

Fizemos amor aquela noite.

Mas não havia terminado com Leonora ainda.

Amanheceu o dia.

Eu me levantei e me preparei para sair .

Leonora se levantou,vestiu-se e ficou esperando.

Tomamos café juntos,conversamos sobre várias coisas.

Voltamos para a sala,onde eu havia colocado uma cadeira.

Além de sentir dor,Leonora tambem gosta de ficar em situações desconfortáveis,angustiantes.

Tenho uma peça de madeira,de 50 cm de comprimento em formato triangular.

Coloquei a peça no acento da cadeira e mandei Leonora de sentar sobre ela.

Eu a amarrei firmemente á cadeira.

Nós duros,apertados,mordaça apertada.

Eu havia feito ela tomar mais de um litro de água durante o café.

Em breve ela ficaria com uma vontade de urinar danada!

Para completar,peguei um despertador e coloquei sobre o móvel a sua frente,para ela ficar olhando as horas se passarem.

Deixei Leonora ali e sai para trabalhar.

Éram oito horas da manhã...

A situação de Leonora agora era essa;sentada sobre uma peça de madeira que machucava suas nádegas,amarras duras e dolorosas,necessidade de urinar e ter um maldito relógio na sua frente mostrando as horas passarem se arrastando.

Não vou negar que me preocupei com ela o dia todo.

Mas ela gosta!fazer o que??

Esse é o meu "trabalho".

De tudo isso a minha maior preocupação era com a bexiga dela.

Segurar a urina por muito tempo pode causar problemas de saúde bastante sérios!

Quando cheguei em casa ja passavam das desoito horas.

Eu a soltei.

Ela foi para o banheiro.

Tomamos um banho juntos.

Na cama,massageei seus braços e pernas.

Naquela noite,fizemos amor ate altas horas da madrugada.

Leonora é um exemplo de mulher submissa.

É amiga,companheira,fiél,amorosa e carinhosa.

Eu amo essa mulher de coração!

E ela sabe disso!

Um brinde á sub Leonora,á Domme Leonora,á rainha da vodka!!




3 comentários:

Kaillean disse...

Que bom que começou seus contos "fora da masmorra" com Le. Ela merece. Não sei se Le é um exemplo de sub, porque tenho preferência por bottoms do sexo masculino .. rs (mas eu ti love, Le).
Sei que Le é um exemplo de amiga. Uma amiga que aprendi a amar. Uma mulher rara, fiel, de garra.
(mas fiquei curiosa: Le fez xixi ou não? depois pergunto para ela!)
De qualquer forma e mais uma vez, amodorei teu conto. Dentro ou fora da masmorra, Dom Kabalta é Dom Kabalta!
E amodorei também o fato de estares descrevendo fatos (redundância?), em forma de conto.
Love you, Dark Angel.
Love tou, Le.
baisers de poisons et sorts

Maeve-Rainha disse...

Oi meu anjo negro. Adorei te ver na ativa novamente. Como falei uma vez(lembra láaaaaaaaaaa atrás, quando pensou em deletar o blog???? Nossa faz tempo isso ... em???... rs)Não podemos ficar sem os contos de Dom Kabalta. Parabéns, belo relato.
Beijos, te adoro muito.

helenaserve disse...

Dom Kabalta é Dom Kabalta.
Voce continua perfeito.
Parabéns Maumau.
Só que vou querer um conto para mim tb!
Beijim.